domingo, 9 de março de 2014

capitulo 6




A semana seria longa, semana de provas. No primeiro dia, Geografia e História, me sairia bem. Me sentia inquieta, Joe estava lá ao lado da ridícula da Taylor, mas seus olhos estavam em mim. Ele fingia que nada havia acontecido. Cheguei a pensar em ir questionar o motivo dele me deixar sozinha em casa com as panquecas depois de me agarrar e me levar a um quase delírio no meu quarto, mas achei que provavelmente me faria de palhaça na frente da namorada de novo e não estava com disposição alguma para isso.
Preferi o silêncio. Nick estava ao lado do Joe, viajando em algum lugar dentro da própria mente. Nesses dias de prova as carteiras eram nomeadas, por sorte fiquei a duas carteiras atrás do Joe e da Taylor, que de um jeito inexplicável, conseguiram ficar lado a lado, a Sel estava lá na frente. As provas não foram difíceis, pelo menos aquelas matérias eu dominava. Meu pai voltaria para casa na terça-feira, só por um dia. Era como ele fazia, vinha, deixava algum dinheiro, via se estava tudo em ordem e ia embora, então ainda tinha a segunda só para mim em casa. Chegando em casa resolvi dormir um pouco, meu final de semana havia sido extremamente agitado e precisava me desligar das coisas. Não queria comer, não tinha forças para limpar a casa e não estava com o menor saco para estudar. Não conseguia compreender nem aceitar tudo o que estava acontecendo. Ele me beijava e fugia, tinha ataques de ciúmes e ia namorar com a Taylor, tinha cozinhado dentro da minha casa e me tratava como se mal me conhecesse na escola. Aquilo tudo estava me deixando sem ânimo para nada, desliguei o telefone da tomada e desconectei a campainha. Queria e precisava ficar um pouco comigo mesma. Quando acordei percebi que já era noite, olhei de súbito para o relógio e eram 19h30, ou seja, eu havia dormido por muito mais do que pretendia, mas muito menos do que precisava. Tomei um banho e resolvi comer um macarrão instantâneo, de novo. Peguei nos cadernos para estudar, mas acabei dormindo novamente com eles nas mãos, meu dia passou em branco e não tive sonhos.
No dia seguinte tínhamos prova de Biologia e Química, quase não consigo ir para a escola por ter acordado atrasada. Minha cara estava relativamente inchada de tanto dormir e agora acreditava no que meu pai sempre dizia: “Quanto mais se dorme, mais sono se tem.” Me sentia muito sonolenta ainda.
Entrei na sala e sentei na cadeira que tinha meu nome, deitei em meu moletom e quase dormi novamente.
— Demi — a Sel estava sentada na minha frente na mesa de algum colega.
— Hum? — mal levantei a cabeça.
— O que você tem, amiga? Virou a noite estudando?
— Nada não... Dormi demais, sei lá o que está acontecendo, mas estou com sono — disse sem conseguir conter um bocejo.
— Hum... Mas você está bem? Eu estou meio desanimada... — me dei conta de que havia esquecido de religar meu telefone e ela podia ter tentado me ligar sem conseguir.
— Ai, amiga, você me ligou?
— Não... Por quê?
— É que desliguei o telefone para poder dormir e esqueci de religar. Achei que você pudesse ter me ligado. Você está triste? — seu semblante estava terrível.
— Mais ou menos — ela se abaixou para cochichar algo perto de mim. — Ele nem falou comigo, nem me cumprimentou. Não entendo — ia matar aquele garoto.
— Todos em seus lugares, daremos início às provas — o professor falava em alto e bom som. Ela voltou para o lugar de cabeça baixa. Pude perceber que Nick a acompanhava com o olhar, de hoje ele não escapava, o encontraria nem que fosse no inferno. Percebi também que Joe estava olhando para o amigo, Nicholas estava com a mesma cara de paisagem de ontem, irritante. A prova transcorreu bem rapidamente. A Sel foi uma das primeiras a terminar, porque provavelmente não sabia muita coisa e marcou qualquer resposta para ir embora. Eu ainda tinha uma questão a responder quando vi o Nick se levantando e saindo, marquei qualquer coisa e fui atrás dele.
— Hey, Demi — ótimo, tudo o que precisava era a Miley querendo encher meu saco justamente agora.
— Oi, Miley, desculpa, mas estou com um pouco de pressa.
— Ah, desculpe, mas a Sel pediu para te avisar que ela foi embora. Acho que pegou uma gripe e foi para casa, quer melhorar até minha festa — gripe uma ova.
— Hum, ok, obrigada — saí correndo pelo corredor. Nick estava perto da saída quando o alcancei.
— Nick — falei ofegando. — Nick, preciso falar com você.
— O que foi? — ele parecia preocupado.
— Venha comigo, por favor — andamos até o parquinho da Educação Infantil e sentamos em um banco.
— Nick, a Sel me contou sobre a praia.
— O que ela te contou? — ele parecia muito mais tranquilo do que o habitual.
— Ela disse que você a encontrou nas pedras, que conversaram e que você disse algo que parecia demonstrar que estava a fim dela e, quando a levou em casa, ela apagou e não se lembra de mais nada .
Ele parecia estar sorrindo com o canto da boca.
— O que tem demais nisso, Demi ?
— O que tem demais nisso, Nick, é que você age como o Joe. Nunca vi minha amiga se apegar a alguém assim. Você me pediu para se afastar do Joe e quero te pedir que se afaste da Sel. Você não tem o direito de brincar com os sentimentos dela.
— Uau! Você é realmente muito direta, Demi, mas não estou brincando com nada.
— Está sim. Você não falou mais com ela e isso a deixa triste. Você e o Joe são... São insensíveis, acham que podem sair por aí fazendo as pessoas de bobas — não pude conter as malditas lágrimas que enchiam meus olhos, era uma mistura de raiva e tristeza, por ele e por Joe.
— Hey, se acalme. Não é assim, Demi. Sei o que você está sentindo, pode acreditar, mas entenda, tudo é muito mais complexo do que você imagina. Nunca brincaria com os sentimentos da Sel e me desculpe por ter te pedido aquilo em sua casa, sei que você já está envolvida — ele deu um suspiro. — Não quero fazer mal a você e nem a Sel, então me desculpe, mas tente entender que é perigoso. Você sabe mais do que deveria — ele afastou uma lágrima que começava a descer pelo meu rosto. A conversa não tomou o rumo que imaginei, era praticamente impossível brigar com o Nick.
— Nick, você é a mesma coisa que o Joe ? — ele simplesmente me olhou e antes que pudesse abrir a boca alguém apareceu....
— Nick, vamos embora, cara, temos que passar na academia ainda — Joe nem olhou na minha cara, provavelmente a intenção era somente tirar o Nick dali.
— Vamos. Até mais, Demi, se cuide — levantei e segui na direção contrária, senti os olhos dos dois nas minhas costas, mas não olhei para trás nem por um segundo. Passei a tarde toda limpando a casa, depois subi para tomar um banho. No finalzinho da tarde meu pai chegou, coloquei suas roupas para lavar. Era assim, ele deixava a roupa suja e levava umas limpas para uma semana ou mais .
Fomos ao mercado comprar alguns suprimentos para a semana seguinte e depois fui estudar.
Meu pai estava mais quieto que o habitual, achei estranho, mas resolvi não questionar. De manhã cedo senti quando ele entrou no meu quarto e me deu um beijo na testa, aquilo era realmente muito incomum. Ele ficou me olhando por alguns minutos e saiu. Ele deixou um bilhete dizendo que ligaria no outro dia, atitudes melosas vindas do meu pai não eram normais, algo estava acontecendo. Levantei um pouco melhor, hoje teria prova de Física e Matemática, fui para a escola e encontrei uma Sel mais animada. Parei na carteira dela antes de seguir para a minha, resolvi não contar sobre minha conversinha com o Nick.
— Está melhor? Gripe foi uma boa desculpa.
— Mais ou menos, hoje ele me cumprimentou com a cabeça. Pelo menos isso.
— Olá, meninas — essa Miley era realmente bem inconveniente. — Vocês ainda não confirmaram se vão a minha festa ou não.
— Oh, meu Deus, onde estava com a cabeça?! Tinha me esquecido, Miley, claro que nós vamos, não preciso da Van na ida, meu pai vai me levar, só na volta — A Sel tinha uma animação para festas além do comum....
— Tudo bem e você, Demi ?
— Ela irá comigo, mas precisamos da Van para voltar, nós duas.
— Ok, vou deixar anotado. Não esqueçam de ir de preto hein, meninas! — ela foi saindo, indo na direção de outras pessoas, percebi de quem ela era amiguinha. Miley era amiga da Taylor, a garota que mais odiava no mundo, por isso ela era tão chatinha. Essa festa seria um martírio para mim.
— Demi, precisamos de shopping urgente. Hoje logo após a aula.
— Sel... Não tenho dinheiro para ir fazer compras e preciso estudar. Na verdade agora que vi a Miley e a Taylor juntas, resolvi que não quero ir à festa.
— Nem começa, Demi. Você vai nessa festa queira ou não, se não quer comprar vestido novo tudo bem. Vou te dar um de presente e eu vou escolher, já que você não pode ir ao shopping comigo.
— Isso me dá medo — fiz cara de terror e fui para o meu lugar.
A prova foi bem tranquila, saímos cedo e ficamos no pátio jogando vôlei com as meninas do time. Joe estava jogando basquete, acho que levei umas duas boladas na cara, porque às vezes ficava olhando para ele. Fomos embora, Joe provavelmente estava indo para a academia depois das aulas, porque nunca mais havia pegado o ônibus escolar. Acabei indo dormir muito cedo o que me fez acordar muito antes do planejado. Resolvi me arrumar um pouco melhor para ir à aula, estava relativamente quente, tomei um banho e coloquei o uniforme, a calça era bailarina e a blusa uma baby look. Deixei o habitual moletom guardado na mochila, coloquei umas presilhas no cabelo passei lápis, rímel e gloss.
Fui para a aula e a prova era de Português e Inglês, finalmente as provas estavam acabando. Não que tivesse problemas com elas, mas era muito exaustivo e não gostava de sentar longe da Sel.
Na escola todos me olhavam como se eu fosse uma aluna nova, aquilo me constrangia um pouco, encontrei a Sel no corredor antes da sala.
— Oh meu Deus, Demi, o que houve com você?
— Por que, Sel ? Sabia que não devia ter me maquiado — devia estar parecendo uma palhaça.
— Demi, você está linda de doer. Quando você se veste de menina você fica linda, amiga. Eu nem passei lápis, vem comigo no banheiro — fomos ao banheiro e a Sel passou gloss e lápis. — Agora sim, amiga, vamos abafar aquela sala, o Nick e o Joe já estão lá — tremi, mas enfim, tinha que jogar com as armas certas, se ele estava me deixando louca, agora eu ia deixá-lo também e não pouparia artimanhas para isso.
Entramos na sala e tudo pareceu muito mais lento, algumas cabeças se voltaram para nós. Joe estava olhando para mim e seu olhar era um misto de desejo e raiva. Aquilo me fez sorrir um pouco, algumas pessoas nos cumprimentaram ao cruzarmos a sala. Deixei a Sel no lugar dela e fui para o meu. Joe não tirou os olhos de mim em nenhum momento, fizemos a prova. Terminei antes da Sel, dessa vez quem não sabia muita coisa era eu, fiquei esperando ela em frente à sala de áudio, tinha umas colunas ali, rodeadas de plantas e flores que escondiam uma linda escadaria, sentei e estava muito feliz. Não conseguia nem disfarçar, tinha vontade de pular de alegria, gostei da forma que ele me olhou. Acabei me deitando para trás, na parte de cima da escada. Fechei os olhos e lembrei do seu olhar que parecia entrar dentro do meu corpo na sala. Aquilo foi muito novo para mim, a sensação foi incrível, abri os olhos e tinha alguém sentado ao meu lado, era ele......
— Joe ! — disse levantando. Ele me jogou de novo para trás, mas segurou meu pescoço e minhas costas para que não batessem nos degraus e ao mesmo tempo se ajoelhou entre as minhas pernas, se inclinando em minha direção.
— Você. Realmente. Vai. Me. Deixar. Louco — ele disse pausadamente e ofegando com os lábios levemente encostados nos meus. — Você é minha — e me beijou.
Sua boca tinha urgência da minha. Não foi um beijo romântico, foi um beijo de desejo. Meu corpo pedia aquilo e não queria nem saber se estávamos no meio da escola; se ele me queria ninguém me impediria de querê-lo também. Nos beijamos da maneira mais intensa e profunda possível, a cada volta que nossas bocas davam sentia o calor emanando daquele beijo, tomamos fôlego e retornamos ao beijo mais intensamente que antes. Não sei quanto tempo ficamos ali agarrados nos beijando, mas quando terminou, meus lábios estavam amortecidos. Nosso peito subia e descia, ele olhava dentro dos meus olhos como se pudesse ver minha alma e eu sustentava seu olhar.
— Não consigo... Te entender, Joe.
— Não tente — ele sorriu. — Você é linda — disse ainda ofegando e se sentou mais próximo a uma das colunas, um degrau abaixo. Vi a Sel vindo na direção da escadaria, ela olhou para cima e quando me viu com Joe ficou sem saber o que dizer, seus olhos se arregalaram de um jeito muito engraçado.
— Oh... É... Olá! Espero não estar incomodando — Joe me olhou com um sorriso reprimido esperando que eu dissesse algo.
— Há... Não, não está, amiga — ainda tinha a respiração pesada.
— Ok — ela estava totalmente sem graça. — Então acho que vou indo.
— Não precisa, Selena, só estou esperando o Nicholas e já vou embora. Se preferir, posso esperar em outro lugar — Joe falava com ela sério.
— Nãooo, imagine. Sem problemas — ela se sentou no degrau abaixo e Nick chegou. Acho que ela parou de respirar ou pelo menos foi o que pareceu.
— Opa! O que temos aqui? Algum tipo de reunião de cúpula? — ele dizia sorrindo, a Sel estava prestes a derreter como um picolé em frente ao ventilador. Joe olhava para ele como se aquilo tudo estivesse sido premeditado e eu estava perdidinha.
— Não, Nicholas, só estava te esperando em companhia das nossas colegas de classe.
— Ah, sim. O basquete também não me pareceu interessante hoje — ele dizia enquanto se sentava no mesmo degrau da Sel, de frente para ela. — E aqui bate um vento fresco, neste calor pode ser algo bem agradável. Você não acha, Demi ?
— É, o lugar realmente é bem ventilado.
— É, talvez seja por isso que seu cabelo esteja tão despenteado — oh, oh. Não havia percebido, mas após aquele beijo furacão meu cabelo deveria realmente estar imprestável. — Deve até mesmo estar te dando frio, pois sua boca está toda vermelha — Joe e Nick começaram a rir, estavam tirando comigo.
— Nossa, amiga, realmente sua boca está vermelhinha. O que você estava fazendo, Demetria ?
— É, é... Estava mordendo os lábios, deve ser isso — respondi totalmente sem graça.
— Ora, Demi, você parece ter sido atacada por um canibal — começamos a rir juntos, parecíamos quatro bons e velhos amigos, mas sempre tem alguém para estragar a felicidade alheia.
— Joe ? O que você está fazendo aqui com elas? — a voz da Taylor ecoava em meu ouvido, percebi que a Sel estava com a cara fechada olhando as unhas.
— Estava esperando o Nicholas, Taylor — ele disse já sem humor nenhum.
— Bem, se o Nick já está aqui, por que não vamos embora? Não vamos para minha casa? — ah, que nojo, como aquilo podia estar acontecendo? Precisava sair dali senão ia vomitar.
— Vou para a academia hoje — ele respondeu em tom nada amistoso.
— Bem, então vamos indo, vocês me deixam no carro. É melhor do que ficar aqui, nessa deprimente companhia — a Sel se levantou e disse quase aos berros:
— Deprimente é como vou deixar a sua cara se você não se mandar daqui o quanto antes, sua ridícula — Nick estava colado a ela com as mãos em sua cintura. Joe e eu nos levantamos também.
— Olha só quem está falando, você é uma...
— Não abra sua boca para terminar essa frase, Taylor, ou não respondo por mim — Nick dizia entredentes. A Taylor o olhava tão assustada quanto a Sel.
Aquilo não era esperado por ninguém ali, ele não parecia em nada o Nick amistoso de minutos atrás. Joe a olhava com raiva, se virou para pegar a mochila, me olhou, desceu e foi andando com sua cachorrinha de estimação atrás; mais uma vez fui aos extremos em minutos.
— Vamos indo, Tay— disse Joe.
— Vaca. Quem ela pensa que é?
— Calma, Sel — Nick dizia se colocando em frente a ela. — Essa garota é uma inútil, jamais deixaria que encostasse um dedo em você — ele a olhava de um jeito tão lindo que até eu estava me derretendo. — Ou em você, Demi.
Pegamos nossas mochilas e fomos embora, Nick acompanhou a Sel até em casa. Entrei em choque com tudo aquilo, Joe estava brincando com a minha cara e isso estava acabando comigo. Desci do ônibus escolar no meio do caminho e andei no sentido oposto, caminhei algumas quadras e cheguei a Academia Cour, não conseguiria ficar tranquila sem conversar com ele, não dessa vez. Entrei na academia e ele estava sentado na recepção, era horário de almoço e a academia tinha pouco movimento. A recepcionista não estava lá.
— Preciso falar com você, Joseph.
— Joe. Não me chame assim.
— Que seja, preciso falar com você e precisa ser agora.
Ele chamou um dos professores e pediu que cuidasse da recepção, fomos a uma salinha que deveria ser algum tipo de escritório, ele me pediu que sentasse no sofá e se sentou na mesinha de centro em frente.
— O que houve? — não sabia nem por onde começar.
— Joe... Isso não está certo — respirei fundo e percebi que ele também. — Você me beija de repente, cozinha para mim na minha casa, diz que é louco por mim e do nada você muda completamente. Age como se nem me conhecesse e pior, fica do lado da sua namorada como se nada tivesse acontecido.
— Demi, não é tão simples...
— Claro. Você é complicado, já sei disso, mas descomplique. Por que aquela garota?
— Porque a escolhi como minha namorada — aquilo me desmontou por completo. — Escute, Demi, algumas coisas não estão sobre nosso controle e não temos como mudar. Essa é uma delas — as malditas lágrimas já rolavam desenfreadas pelo meu rosto. Que ódio. Se ele não fosse professor de artes marciais voaria em cima dele.
— Sobre aquele dia no bosque...
— Qual deles? — cínico.
— O dia em que vi você com os olhos brancos.
— Não faço ideia do que você está falando.
— Nick acreditou em mim.
— O Nicholas tem problemas.
— Ótimo — levantei para ir embora e ele levantou junto, me segurou pelo braço.
— Me largue! — gritei mais alto do que gostaria, ele me soltou e ficou parado, me olhando sair pela porta. O homem na recepção me olhava assustado, corri para a saída. Nunca mais queria vê-lo.
Passei o dia chorando na cama. O telefone tocou e não atendi, provavelmente era a Sel, mas não estava com saco para conversas. Chorei até ficar inconsciente. Quando acordei percebi que meu rosto estava todo melado, de tanto chorar. Olhando no espelho, parecia que um bando de lesmas havia andado pelo meu rosto. Tomei um banho. Chegaria para a segunda aula, havia acordado atrasada de novo.
A coordenadora veio me questionar o motivo do atraso, dei a desculpa que meu despertador não tocou, fiquei aguardando a entrada para a segunda aula. Entrei e vi que a Sel estava sentada ao lado da Miley, o único lugar vago era com elas, então fiquei sem escolha. Não procurei por Joe na sala, não queria vê-lo com aquela idiota......

...............continua.............

MAS UM CAPITULO PARA VOCÊS QUERIDAS .....QUE RAIVA DO JOE NÉ ....NOSSA O QUE ELE TÁ FAZENDO COM A DEMI É PALHAÇADA !!!
BOM....COMENTEM BASTANTE AMORES ...BEIJOSS



12 comentários:

  1. Posta logo please
    morrendo de curiosidade pra saver o que o Nick e o Joe sao :o
    capitulo perfeito como sempre :')

    Entao... Posta logo
    obg dnd :)
    Bjss
    by: Maria Carolina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mentira que fui a primeira a comentar o/ :')

      Excluir
    2. To achando que o Joe e o Nick são super saiyajin por que né? Jshshehdud posta mais, beijos

      Excluir
  2. Que capítulo mais perfeito *-*
    Está fic meu deus....perfeição u.u
    Linda posta logoo
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ta perfeito, mas eu quero mais, necessito urgentemente de maiiis, posta mais um hoje vai, posta logo

    ResponderExcluir
  4. Ele tá irritando essas mudanças dele estão acabando comigo. Imagina com a Dems tadinha :))
    Posta logo beijos
    Fabíola Barboza

    ResponderExcluir
  5. Perfeitoooooooooooooooooo posta logooooooooooooo

    ResponderExcluir
  6. Perfeitoo!!! Meu Deus eu estou ficando maluca pra saber quem eles ( Joe e Nick) são!!! Posta mais, por favor!!! A fic está maravilhosa!!! Bju!!

    ResponderExcluir
  7. Quero mais poor favor tá linndo esse capitulo

    ResponderExcluir
  8. Perfeito Capitulo *-*
    Da uma passadinha no meu blog, e divulga se puder.... Agradecida. http://jamaisteesquecereijemienelena.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Vou dar uns tapas na cara desse Joseph q palhaço, pelo menos o Nick ta sendo legal com a Sel, aff pq ele "namora" a Taylor??

    ResponderExcluir